terça-feira , 23 julho, 2024
Lar Economia Mulheres de ocupação lançam coleção com tecidos de reuso em Osasco
Economia

Mulheres de ocupação lançam coleção com tecidos de reuso em Osasco

8

“É surreal ter uma nova profissão depois dos 40 [anos]”. O relato surpreso da costureira Mara Lopes é resultado de uma trajetória que envolve organização coletiva e oportunidade de capacitação. As dificuldades impostas pela pandemia uniram mulheres da Ocupação Esperança, na cidade de Osasco, no estado de São Paulo, onde elas buscaram formas de se profissionalizar e melhorar a realidade. 

Osasco (SP) 17/07/2023 - Coletivo de mulheres da Ocupação Esperança, em Osasco, montaram uma oficina de costura e aprenderam o ofício a partir de uma iniciativa do Sesc, o coletivo também fez uma coleção de roupas e farão um desfile para melhorar a renda familiar.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Unidas, elas montaram uma oficina de costura e aprenderam o ofício a partir de uma iniciativa do Sesc – Paulo Pinto/Agência Brasil

Em 2021, Mara perdeu o emprego de cozinheira e, no mesmo ano, por meio de iniciativa do Movimento Luta Popular, do qual é integrante, ajudou a montar uma oficina de costura no terreno da ocupação. “A costura está sendo bem importante porque, além de aprender uma profissão que eu nunca imaginei que aprenderia, ter uma renda através dessa nova profissão que eu tenho agora é muito bom mesmo”, relata. 

“Quando a gente conseguiu montar o espaço, nós conseguimos as máquinas de doações, a gente colocou no grupo da comunidade: a gente está com o nosso projeto, quem quiser aprender a gente está atrás de parceiros para dar o curso. As mulheres interessadas começaram a passar os nomes”, diz. 

Uma delas foi Lucilene Amaral da Rocha, 32 anos, mãe de três filhos. Ela só havia trabalhado nos cuidados de casa até o início da pandemia, fez máscaras para complementar a renda da família e acabou encontrando um ofício a partir da iniciativa da oficina coletiva. 

Entre as colegas de costura, Lucilene é chamada de professora. “Ela que se destaca na costura, é nela que a gente se auxilia. Ela fala que não, mas ela sabe que sim”, garante Maura, que ressalta a importância da organização coletiva tanto para a construção da oficina, que recebeu doações, como para o aprendizado da costura do grupo, que se beneficia do compartilhamento do conhecimento.

Tecidos, linhas e agulhas

Assim que surgiu a ideia da oficina, o espaço recebeu doações de máquinas industriais e outros equipamentos do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Estado de São Paulo, além de doação de pessoas que se identificaram com o projeto, possibilitando a compra de retalhos de tecidos, linhas, agulha e tesouras. No ano seguinte, em 2022, uma parceria com o Serviço Social do Comércio (Sesc Osasco) resultou na oportunidade de capacitação das mulheres pelas empreendedoras do Atelier Mandarins. 

“A diferença [em participar da oficina coletiva] é que, em casa, eu não teria a capacidade que eu estou tendo agora. Porque não teria as máquinas melhores, não teria conhecimento delas [colegas] e o conhecimento que professoras passaram para mim. Eu não estaria fazendo o que eu consigo fazer hoje”, conta Lucilene. 

Osasco (SP) 17/07/2023 - Coletivo de mulheres da Ocupação Esperança, em Osasco, montaram uma oficina de costura e aprenderam o ofício a partir de uma iniciativa do Sesc, o coletivo também fez uma coleção de roupas e farão um desfile para melhorar a renda familiar.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Coletivo Ocupação Esperança, em Osasco, mudou a perspectiva de vida de muitas mulheres Foto – Paulo Pinto/Agência Brasil

Atualmente, ela é responsável pelas contas de casa. Mas a satisfação vai além da conquista financeira. “Descobri uma pessoa que eu não sabia que tinha dentro de mim. Eu estou me sentindo independente, capaz. Antigamente, eu não sabia nem preencher um currículo porque eu nunca trabalhei em lugar nenhum, só cuidando das crianças mesmo. Para mim, hoje, isso aqui está sendo muito importante”, aponta.

Natalia Miranda, do Atelier Mandarins, destaca a prática coletiva da costura deste grupo de mulheres. “Aqui se tornou um lugar de convívio, as mulheres vinham aqui e contavam histórias, e elas falavam muito isso, que viram também um lugar para compartilhar coisas da vida. Era um momento do dia em que elas paravam de cuidar da casa e dos filhos, era também o momento de se conectar, de fazer vínculo e ao mesmo tempo de ir aprendendo um ofício,” acentua. 

Osasco (SP) 17/07/2023 - Coletivo de mulheres da Ocupação Esperança, em Osasco, montaram uma oficina de costura e aprenderam o ofício a partir de uma iniciativa do Sesc, o coletivo também fez uma coleção de roupas e farão um desfile para melhorar a renda familiar.
Foto:Paulo Pinto/Agência Brasil

Mulheres da Ocupação Esperança montaram o espaço da oficina com máquinas doadas – Paulo Pinto/Agência Brasil

“Elas desenrolaram muito bem, tem uma diferença gritante do ano passado para agora, elas estão muito autônomas. Elas contam que já fizeram roupa para a família, para vender e estão aprendendo, nesta experiência de agora, a dividir: como é que você divide o trabalho para fluir melhor? Passou o período de aprendizado [de costurar] e elas estão se organizando como é que faz uma produção mesmo de costura”, avalia Natalia.

Toda essa trajetória motivou um desfile de roupas, realizado no último sábado (15), em evento do Sesc Osasco, com o tema Costura Circular. A experiência a que Natália se refere abrange a criação e a produção de uma coleção de peças por um grupo de quatro mulheres da ocupação, nas últimas semanas, junto ao Mandarins, com inspiração em feiras de rua, a convite do Sesc Osasco. A partir de tecidos de reuso, as costureiras se basearam nas cores das frutas para suas criações.

“Elas estão aprendendo a criar uma coleção, como fazer a composição de looks e de combinação de cores. Então, por exemplo, a pitaia tem a parte pink, com a parte de bolinhas que lembra o recheio da fruta. Das frutas, saiu a inspiração para desenvolver a coleção. Todo o material que a gente está usando é de reuso. A gente foi atrás de lojas, de fornecedores, que vendessem sobras de confecção, então também tem a questão da sustentabilidade”, conta Bárbara Gutmann, do Mandarins.

Mudança social

Claudete Greiner, programadora sociocultural do Sesc Osasco, reflete o quanto as atividades são significativas para promover uma mudança social. “Quando a gente está numa unidade que é periférica tem essa oportunidade de você fazer diferença dentro da comunidade, porque, afinal de contas, é o Serviço Social [do Comércio]. Com a pandemia, a gente, além de estar no mundo online, a gente teve que ver o que estava acontecendo lá fora. Houve a ação das máscaras, que a gente contratava costureiras, cooperativas, isso gerava renda e produzia máscaras e a gente distribuía,” acentua.

A seguir, ela avalia que esse é um modelo a ser expandido: ir até as comunidades, identificar necessidades e participar de soluções. “Eu acho que esse papel de estar dentro das comunidades contribuindo é relevante. Não é falar ‘nós vamos lá e vamos ensinar a fazer tal coisa’. A primeira coisa é escutar. Foi essa a primeira reunião que eu tive com as meninas: ‘o que vocês precisam, o que seria interessante para vocês?’”, diz. Ela comemorou o resultado da capacitação em costura para a autonomia financeira das mulheres da Ocupação Esperança. 

A costureira Maria José Sales Soares, conhecida como Mara, de 63 anos, também aprendeu novo ofício a partir da oficina na ocupação. As conexões entre a demanda das mulheres e a oportunidade de formação em costura se deram a partir dela, que participou de uma live organizada pelo Sesc Osasco para falar sobre direito à moradia. 

Vinda de Juazeiro do Norte, no Ceará, com quatro filhos e uma neta após se separar do marido, ela mora há 39 anos em Osasco e integra o Movimento Luta Popular. Hoje, ela mora com a filha e um neto, e o sustento da casa vem da costura. Questionada sobre se tornar-se costureira fez alguma diferença na renda da família, ela responde: “nossa, você nem imagina! Eu estava naquele sufoco, precisando mesmo”. Durante a pandemia, uma filha de Mara descobriu um aneurisma e um cisto na cabeça. 

Apesar de ter uma máquina em casa, ela prefere se juntar às colegas na oficina para trabalhar. “Eu acho que rende mais, é bom, né? Tem hora que a gente se zanga uma com a outra, mas é muito bom a parceria. A gente rende mais, vai conversando e vai ajudando. Se eu não sei, a outra já sabe. Aqui, a gente conversa e se diverte”, finaliza.

Fonte

Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Minha Casa Minha Vida: Energia solar é aprovada no programa 

16/06/2023 às 14h24min – Atualizada em 17/06/2023 às 00h03min Franqueadora líder no...

Aumento do turismo estético: Brasil lidera como destino preferido para cirurgias estéticas entre turistas estrangeiros

Setor de turismo estético brasileiro projeta crescimento de 35% nos próximos cinco...

IRPJ e CSLL em benefícios fiscais de ICMS: como ficou após o julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça?

SALA DA NOTÍCIA Adv. Maria Carolina Barbosa IRPJ e CSLL em benefícios...

Dia dos Namorados movimenta o varejo físico e digital

15/06/2023 às 18h08min – Atualizada em 18/06/2023 às 00h03min Compras digitais cresceram...